Diagnóstico precoce do câncer de mama reduz
as taxas de mortalidade da doença

Comemorado em 5/2, o Dia Nacional da Mamografia reforça a importância do exame para a identificação precoce da doença.  A cada ano, cerca de 66 mil mulheres recebem o diagnóstico de câncer de mama no Brasil. Por essa razão a data tem por objetivo de conscientizar a população feminina sobre a relevância do exame para detectar alterações na mama. Ele consiste em uma radiografia do tecido mamário, feita por um equipamento de raios X chamado mamógrafo, capaz de identificar lesões nos estágios iniciais.

Quanto mais cedo o tumor for identificado, maiores as chances de cura. Para câncer de mama, os casos identificados no início trazem um índice de cura que pode chegar a 98%. Devido ao público de registradas do Conrerp4 ser de cerca de 80%, a autarquia apoia e defende o exame de toque e mamografia para a manutenção da saúde feminina.

Devido a pandemia iniciada em 2020, exames preventivos foram suspensos na ocasião. No final do ano passado iniciou a retomada dos procedimentos diagnósticos (mamografia, ecografia mamária, biópsias) pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no RS e SC. É através da estrutura da Atenção Primária de Saúde que os exames são oferecidos gratuitamente. A rede também tem unidades habilitadas em oncologia em todas as regiões e serviços de diagnóstico de referência.

Quando fazer a mamografia

A mamografia, como forma de rastreamento do câncer, é indicada para mulheres acima dos 40 anos, anualmente, como recomendação da nossa instituição e da Sociedade Brasileira de Mastologia. O Ministério da Saúde recomenda a cada dois anos entre os 50 e 69 anos. Abaixo dos 40 anos, a mamografia pode ser indicada para mulheres com suspeita de síndromes hereditárias ou para complementar o diagnóstico, em caso de nódulos palpáveis e se o médico determinar esta necessidade. Em caso de mamas muito densas, o médico poderá solicitar exames complementares, como o ultrassom.

Dúvidas comuns

  • A mamografia é um exame não invasivo e que deve ser feito inclusive por quem tem próteses mamárias. Especialistas afirmam que o exame pode ser incômodo para algumas pacientes, pois é realmente necessário que se aperte bastante a mama para que se obtenha uma boa imagem. No entanto, dor é uma questão de sensibilidade pessoal, ou seja, algumas mulheres não sentem dor. Para as que sentem, sugere-se evitar os exames durante o período menstrual, pois a mama estará mais sensível e o desconforto será potencialmente maior.
  • Uma dúvida comum, devido a fake news, é a necessidade de usar protetor de tireoide durante o exame. “Isso é um mito, pois a mamografia não causa câncer de tireoide”. Afirma o Colégio Brasileiro de Radiologia, que esclarece que não há necessidade do protetor. A quantidade de raios X liberada é muito pequena e é segura.
  • Câncer de mama em homens: Não existe rastreamento para câncer de mama em homens, por ser uma doença rara. Mas, a mamografia é recomendada quando o paciente apresenta queixa como caroço na mama, secreção ou inchaço próximo do mamilo e dor unilateral.


Números do câncer de mama no RS

  • O câncer de mama é o tumor mais frequente na população feminina do RS. Em 2020, são esperados 4.050 casos novos da patologia.
  • 1.398.024 mulheres de 50 a 69 anos se beneficiam da realização do rastreamento no RS.
  • São realizados 344.780 exames/ano. Esses números têm aumentando significativamente nos últimos anos. A realização de exames ocorre por meio de demanda espontânea, ou seja, as usuárias devem ser orientadas a procurar os serviços diagnósticos.
  • O Estado tem 204 mamógrafos disponíveis para o SUS, capacidade suficiente para atendimento da demanda estimada de cobertura da população na faixa etária do rastreamento.
  • A recomendação para mulheres que não apresentam sintomas é fazer o exame a cada dois anos. Para mulheres com sintomas ou suspeita de neoplasia, a recomendação é fazer o exame imediatamente.
  • Em 2020, segundo dados do Painel de Oncologia/MS, foram diagnosticados 538 novos casos de câncer de mama. Destes, 58,92% receberam o primeiro tratamento em até 30 dias e 31,43% em até 60 dias.

    Dicas de prevenção
  • Não fumar
  • Manter alimentação saudável
  • Manter o peso corporal adequado
  • Praticar atividades físicas
  • Amamentar
  • Evitar exposição ao sol entre 10h e 16h e usar sempre proteção adequada

Exames e revisões periódicas devem ser realizados conforme a indicação:

  • Mulheres entre 25 e 64 anos devem fazer o exame preventivo do câncer de colo do útero a cada três anos.
  • Mulheres entre 50 e 69 anos devem realizar mamografia a cada dois anos, conforme recomenda o Ministério da Saúde e orienta a Organização Mundial da Saúde.
  • Mulheres com risco elevado de câncer devem conversar com seu médico para avaliação do risco e definição da conduta a ser adotada para prevenção e rastreio.

Fonte: Femama, Secretaria Estadual da Saúde do RS e Ministério da Saúde